Notícias - Coluna do Castilho

Home Notícias Frio ameaça a Fórmula 1 na Alemanha
Voltar

Coluna do Castilho

Frio ameaça a Fórmula 1 na Alemanha

Frio ameaça a Fórmula 1 na Alemanha
©️ 2010 - 2020 Nürburgring 1927

Por Castilho de Andrade 

A preocupação das equipes de Fórmula 1 para o GP de Eifel, na Alemanha, na pista de Nürburgring, no próximo final de semana, é a temperatura. A previsão indica mínima de 3 graus e máxima de 12 na sexta e sábado e mínima de 4 e máxima de 14 no domingo, com tempo nublado. O desafio é aquecer os pneus neste início do outono europeu. O GP de Eifel começa às 9h10 com transmissão ao vivo pela TV Globo e BandNews FM com o comando de Odinei Edson.

Os organizadores preferiram dar o nome da região onde se encontra o autódromo do que chamá-lo simplesmente de GP da Alemanha. Na verdade, assim como Portugal e Turquia, a Alemanha não estava no calendário original da temporada.

Será um teste também para o autódromo de Nürburgring que recebeu a Fórmula 1 pela última vez em 2013 ainda quando revezava a prova com Hockenheim. Mas a prova era realizada em julho, em pleno verão. A vitória foi de Sebastian Vettel. Entre os dez ficaram pilotos que já não estão compõem o grid como Jenson Button, Fernando Alonso (com volta marcada para 2021), Mark Webber e Nico Hulkenberg (que em 2020 substituiu Sergio Perez nas corridas de Silverstone). Pilotos como Max Verstappen, Charles Leclerc, Esteban Ocon, Alex Albon, Pierre Gasly, George Russell, Lando Norris, Carlos Sainz Jr. nunca aceleraram um carro de F1 neste traçado. Entre 1986 e 2008, o GP da Alemanha foi disputado apenas em Hockenheim onde Nelson Piquet e Ayrton Senna conquistaram três vitórias cada um e Rubinho Barrichello uma vitória. O revezamento com Nürburgring começou em 2009 com Mark Webber chegando na frente. Depois vieram as provas de 2011 e 2013 com as vitórias respectivamente de Lewis Hamilton e Sebastian Vettel. E o GP, ainda que de forma intermitente, voltou para Hockenheim, a partir de 2014.

A corrida será mais um exercício de paciência para Sebastian Vettel e Sergio Perez, bastante desgastados com as respectivas escuderias Ferrari e Racing Point o que sempre pode comprometer os resultados. E também após o anúncio oficial da Honda, comunicando que deixará a F1 após a temporada do ano que vem. A tendência será a Alpha Tauri ficar com os Renault. A Red Bull poderia tentar correr com os motores Mercedes.

 

 

Castilho de Andrade é jornalista especializado em automobilismo e Diretor de Imprensa do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1.